H.G.Wells – The Island of Dr. Moreau

 

Ana,

Por coincidência, assim que terminei de ler A Ilha do Dr. Moreau eu assisti ao filme Tusk, uma comédia de horror (?) onde um marinheiro louco serial-killer transforma pessoas em… morsas.

A coincidência está no fato que ambos tratam de vivissecção, aquela técnica linda de dissecar um animal vivo pra propósitos variados (o mais cruel deles, no teste de cosméticos). Nas obras, a vivissecção é utilizada pra transformar animais em seres humanos (em Wells) e um humano em animal (uma morsa, no caso do filme).

Dr. Moreau é um médico britânico expulso da comunidade científica por seus experimentos cruéis com animais. Ele vive numa ilha com seu ajudante, o médico Montgomery, e muitos “nativos” que se descobre serem resultado dos experimentos de Moreau com animais.

O narrador (Prendick) é um inglês que foi resgatado por Montgomery em alto-mar e levado para a ilha. Enquanto espera um navio que o possa levar pra casa, ele vai tomando conhecimento dos experimentos que são feitos na ilha, bem como de seus habitantes.

Um aspecto que eu achei muito interessante na obra é o fato de Montgomery e Moreau terem criado uma espécie de religião (The Law) para manter o povo da ilha sob controle (tá-dá!). Há uma House of Pain, onde os seres seriam castigados por alguma corrupção à Lei, e a figura dos dois tem um quê de divino e deve ser respeitada. A Lei proíbe, inclusive, que se coma carne, para que os seres (muitos deles combinações entre animais, alguns carnívoros) não desenvolvam interesse pelo gosto de sangue, dentre outros hábitos próximos ao comportamento animal.

“Not to go on all-fours; that is the Law. Are we not Men?

“Not to suck up Drink; that is the Law. Are we not Men?

“Not to eat Fish or Flesh; that is the Law. Are we not Men?

“Not to claw the Bark of Trees; that is the Law. Are we not Men?

“Not to chase other Men; that is the Law. Are we not Men?”

(…)

“‘His is the House of Pain. His is the Hand that makes. His is the Hand that wounds. His is the Hand that heals.'”

Vou deixar essa citação da Lei pra você tirar suas próprias conclusões 😀

-Anna

Anúncios

Art Spielgeman — Maus

Desafio 2015: Livro com personagens não humanos


Ana,

Eu já havia lido Maus (rato, em alemão) havia um tempo, em scan, e resolvi reler depois de ter comprado um volume físico.

A graphic novel surgiu quando o autor resolveu contar a história do seu pai, um judeu polonês sobrevivente do holocausto nazista. No livro, os vários grupos étnicos são retratados como animais: os judeus são mostrados como ratos; os alemães são gatos; os franceses (como a esposa do autor), sapos; os poloneses, porcos; os ingleses como peixes; os ciganos como traças; e os americanos, cachorros.

Como todo relato de guerra, Maus não é fácil de ler e algumas passagens são muito, muito tristes. Eu me emociono toda vez que lembro do amigo do pai do autor que, no campo de concentração, usava um sapato maior que os próprios pés e tinha perdido o cinto e a colher, e por isso tinha que ficar tentando se fazer imperceptível para os nazistas, ou apanhava 😦 (eu me ~emociono~ agora, mas quando tava relendo quase morro de tanto chorar).

O bacana é que o livro mostra tanto as memórias narradas pelo pai quanto a relação atual (na época) nada fácil  entre ele e o filho. Acho que tenho uma vaga lembrança de já termos falado sobre Maus, então imagino que você já tenha lido. Ele, com certeza, tá entre os meus livros favoritos de todos os tempos 🙂

–Anna