Paulo Coelho – O Alquimista

Anna,

Quando eu era adolescente, minha avó comprou alguns livros do Paulo Coelho, provavelmente através do saudoso Círculo do Livro. Lembro que comecei a ler “Às margens do rio Piedra eu sentei e chorei”, achei intragável e desisti. Peguei “Brida” e não passei da quinta página. Isso porque eu era uma adolescente que engolia livros – se tivesse de bobeira, até bula de remédio eu lia, avidamente. Então criei um enorme preconceito contra Paulo Coelho, e este foi o primeiro (e último) livro dele que li de cabo a rabo. Confesso que escolhi “O Alquimista” para o desafio de fevereiro porque era um dos menores!

Malala também me influenciou na escolha:

Someone gave me a copy of The Alchemist by Paulo Coelho, a fable about a shepherd boy who travels to the Pyramids in search of treasure when all the time it’s at home. I loved that book and read it over and over again. ‘When you want something all the universe conspires in helping you achieve it’, it says. I don’t think Paulo Coelho had come across the Taliban or our useless politicians.

Pensei em desistir já na segunda página. Isto é o autor falando (na introdução), antes de começar o livro propriamente dito:

Em 1981 conheci RAM e o meu Mestre, que iria conduzir-me de volta ao caminho que está traçado para mim. E enquanto ele me treinava em seus ensinamentos, voltei a estudar Alquimia por minha própria conta. Certa noite, enquanto conversávamos depois de uma exaustiva sessão de telepatia, perguntei porque a linguagem dos alquimistas era tão vaga e tão complicada.

– Existem três tipos de alquimistas – disse meu Mestre. – Aqueles que são vagos porque não sabem o que estão falando; aqueles que são vagos porque sabem o que estão falando, mas sabem também que a linguagem da Alquimia é uma linguagem dirigida ao coração, e não à razão.

– E qual o terceiro tipo? – perguntei.

-Aqueles que jamais ouviram falar em Alquimia, mas que conseguiram, através de suas vidas, descobrir a Pedra Filosofal.

Repito: isso é o autor falando DA VIDA REAL. Não uma história metafórica (que será o resto do livro). A perspectiva de perder algumas horas da minha vida lendo esta “obra” foi cruel.

O livro conta a história de um ex-seminarista em Andaluzia que decidiu virar pastor para ver o mundo. Em um sonho, ele aprende que deve ir até as pirâmides do Egito para encontrar um tesouro. Ele desiste da ideia, mas acaba encontrando o rei de Salém, que explica ao pastor que ele precisa continuar cumprindo sua Lenda Pessoal (aquilo que você sempre desejou fazer, mas ao longo da vida foi acreditando na ideia de que era impossível). E ele manda a citação clássica de Paulo Coelho:

“E quando você quer alguma coisa, todo o Universo conspira para que você realize seu desejo”.

Vendo pelo lado positivo, pelo menos Paulo Coelho não me fez ler o livro inteiro até chegar na citação clássica! (É, Sartre, estou olhando pra você). Mal eu sabia que ele iria repetir esta frase à exaustão.  O pastor vende suas ovelhas – ele acha imediatamente um comprador, porque o universo quer que você viva sua Lenda Pessoal, lembra? Ele vai pra África, é obviamente roubado, passa um ano trabalhando para uma loja de cristais, fazendo-a prosperar, e volta ao seu caminho até o Egito. Insira várias pseudofilosofias aqui. Antes de atravessar o deserto, conhece um inglês que está indo ao Egito em busca de um alquimista famoso.

“Tudo na vida são sinais – disse o Inglês, desta vez fechando a revista que estava lendo. O Universo é feito por uma língua que todo mundo entende, mas que já se esqueceu. Estou procurando esta Linguagem Universal, além de outras coisas […. ] “Pressentimentos”, como sua mãe costumava dizer. O rapaz começou a entender que os pressentimentos eram os rápidos mergulhos que a alma dava nesta corrente Universal de vida, onde a história de todos os homens está ligada entre si, e podemos saber tudo, porque tudo está escrito.

Quando eu (a duras penas) cheguei à metade do livro, achei que já estaria acostumada à breguice. GRANDE ERRO. O ex-pastor, quando tenta ajudar o Inglês a encontrar o Alquimista, pergunta a uma moça e….

“Então foi como se o tempo parasse, e a Alma do Mundo surgisse com toda a força diante do rapaz. […] Ali estava a pura linguagem do mundo, sem explicações, porque o Universo não precisava de explicações para continuar seu caminho no espaço sem fim. Tudo o que o rapaz entendia naquele momento era que estava diante da mulher de sua vida, e sem nenhuma necessidade de palavras, ela devia saber disto também [….] E o rapaz ficou por muito tempo sentado ao lado do poço, entendendo que algum dia o Levante havia deixado em seu rosto o perfume daquela mulher, e que já a amava antes mesmo de saber que ela existia, e que seu amor por ela faria com que encontrasse todos os tesouros do mundo”.

Quanta baranguice! Mas, hey! Não mude de canal! O rapaz encontra o Alquimista, se mete numa enrascada por ter “previsto” uma guerra e fica de mimimi porque não quer sair para ir até às pirâmides, deixando sua amada. Mas ele precisa viver sua Lenda Pessoal, então….

“Se o que você encontrou é feito de matéria pura, jamais apodrecerá. E você poderá voltar um dia. Se foi apenas um momento de luz, como a explosão de uma estrela, então não vai encontrar nada quando voltar. Mas terá visto uma explosão de luz. E só isto já valeu a pena”.

E, se você ainda não botou os bofes para fora:

“Ninguém consegue fugir do seu coração. Por isso é melhor escutar o que ele fala. Para que jamais venha um golpe que você não espera […] De noite, o rapaz dormiu tranquilo, e quando acordou, o seu coração começou a lhe contar as coisas da Alma do Mundo. Disse que todo homem feliz era um homem que trazia Deus dentro de si. E que a felicidade poderia ser encontrada num simples grão de areia do deserto, como o Alquimista havia falado. Porque um grão de areia é um momento da Criação, e o Universo demorou milhares de milhões de anos para criá-lo [….] O rapaz entendeu seu coração a partir daquele dia. Pediu que nunca mais o deixasse. Pediu que, quando estivesse longe de seus sonhos, o coração apertasse no peito e desse o sinal de alarme. O rapaz jurou que sempre que escutasse este sinal, também o seguiria.”

Para finalizar, Paulo Coelho faz a pior cópia da fábula da formiga e a neve que eu já tive o desprazer de ler. Chega a ser mais vergonhoso do que o resto. E a conclusão da ~saga~ é de matar. Vou contar porque não estou nem aí para espoilear, espero que você nem os nossos 1,3 leitores nunca cheguem perto desse livro. Após perder pela terceira vez seu dinheiro, o capitão da tropa que o espancou diz: sonhei que devia ir até os campos da Espanha (insira descrição da terra do pastor) e encontraria um tesouro. Mas não sou estúpido de cruzar um deserto só porque tive um sonho repetido. Aí o pastor volta para a Espanha, pega o tesouro, e volta de novo pra África atrás da mulher.

Não acredito que perdi meu tempo lendo esta porcaria. O preconceito não apenas foi justificado: ele foi reforçado pela leitura. O Alquimista foi facilmente um dos piores livros que já li na minha vida. Brega, repleto de filosofia barata, previsível…. e pensar que este é um autor cultuado por meio mundo. COMO?

– Ana

Anúncios

13 respostas em “Paulo Coelho – O Alquimista

  1. Vc tem que ir muito mais fundo do que essa resenha para entender o sucesso do Paulo Coelho, que é, há, há qse vinte anos, meu escritor preferido ( e, por causa dele, eu li todos os grandes clássicos)
    Vá muito mais fundo, para entender por que pessoas como Malala possuem O Alquimista como inspiração.
    Sua resenha é rasa. Rasinha, rasinha…
    O que é brega? Diga uma definição de brega para q seja possível entender seu posicionamento. Aliás, vc fala “brega” no sentido pejorativo. Se pensar bem, muitas coisas ditas “bregas” são ícones da cultura brasileira e mundial.
    O que é prevísivel? Mas não são assim todas as grandes fábulas?
    Foi por causa do Paulo Coelho e sua doce capacidade de mostrar o óbvio, q tantas vezes pula na nossa frente e não vemos, que li todos os clássicos, os escritores que a “crítica” zzzzzz exalta. Muito bons…mas pra mim nenhum chega aos pés dele.
    Abraços.

    • Olá, Cristina,

      obrigada pelo seu comentário!

      Obviamente, discordo. 🙂 Achei o livro superficial. Não encontrei nada de inovador, nada que já não tenha lido (de forma melhor escrita) em outro lugar, nada que já não tenha me ocorrido antes. Isso, aliás, é uma característica que me afasta do gênero “autoajuda” como um todo.

      Sim, uso “brega” no sentido pejorativo, e concordo que muitas coisas ditas “bregas” são icônicas – mas, como Paulo Coelho, não é porque uma coisa é cultuada que ela é boa!

      Não, as grandes fábulas não são previsíveis. Elas são as originais. Se já sabemos o final, é porque já lemos antes. Paulo Coelho, por sua vez, é previsível, porque já li em outros autores que o precederam todas suas grandes “sacadas” – um exemplo, que citei na resenha, é justamente a fábula da formiga e da neve.

      Mas, como minha companheira de blog, fico feliz que até Paulo Coelho possa inspirar algumas pessoas a lerem outros (e melhores) autores! 🙂

  2. Por falar em raso, Paulo Coelho é o autor mais raso que eu já li. Cansativo mesmo. Seu ar de pseudomonge que guarda grandes verdades só não é tão ruim quanto essas autoajudas que vemos por aí (que só são mais ruins porque se intitulam como tal).
    Não aguento a riponguice e cafonice de certas frases e títulos (Manual do Guerreiro da Luz, oi?).

    Mas fico feliz (sem ironia) que seja através dele que alguns leitores comecem a tomar o gosto pela leitura. O que me espanta é passar vinte anos lendo a mesma coisa, isso pra mim — como estudante de literatura — é falta de amadurecimento como tal.

  3. O enrendo originalíssimo do Alquimista, do nosso renomado escritor, é um dos contos d’As Histórias das Mil e Uma Noites”. Diga-se de passagem, uma versão bem capenga. Eu não achei a tradução para o português, mas em inglês ficou assim “The ruined man who became rich again through a dream”! Até onde eu sei, a ordem dos acontecimentos, inclusive, é a mesma! A personagem da história original sai atrás de um tesouro e encontra uma autoridade (não me lembro se era um sultão) e ele volta para cidade onde começa a história e encontra lá o tesouro que procurava. Mas vivas a originalidade do Paul Rabbit!

  4. Ana, obrigada pela resposta.
    Vc tem direito, claro, de não gostar do Paulo…respeito sua opinião embora discorde completamente (ao menos vc leu…pq a maioria dos que não gostam falam sem ler)
    Qdo diz que o Paulo é cultuado, sim, pelos milhôes de leitores que ele possui mundo afora. Pessoas como a Malala, Pharrell Willians e muitos mais, que declaram a inspiração que O Alquimista traz.
    Mas o Paulo não é cultuado pelo mundo “cult” , pela “crítica” tradicional, digamos. Ao contrário, os clubinhos dos pseudo-intelectuais vivem dando cacetada nele.
    E, o principal: o Paulo não escreve autoajuda!! Ele escreve romances e fábulas. Essa categoria de autoajuda é coisa de livraria preguiçosa que não sabe separar e coloca em qualquer lugar.
    Pra mim o Paulo é mais que um escritor, é um gênio das comunicações e da nova literatura.
    Foi por causa dele q eu comecei a ler…mas nenhum dos grandes nomes me toca como ele toca.
    Obrigada pela conversa, vc é bem qrida 🙂
    Eu adoro amar o Paulo e geralmente sou xingada qdo tento me expressar em algum blog eheh.
    Bjs!

  5. Entendo e respeito que não tenha gostado de “O Alquimista”…mas se me permite uma sugestão, dê mais uma chance pro Paulo :). Sugiro “Onze Minutos”.
    Bjs

  6. sofri pra ler o alquimista livro ruim viu, é pior pra eu poder falar mal dele a vontade li outro livro dele hahaha, agora sim falo mal a vontade, livros ruins demais

  7. Bom dia Ana!
    Eu que comentei ano passado, e sugeri que, como vc leu e não gostou de “O Alquimista”, lesse “Onze Minutos”.
    Apenas passando pra dizer que amanhã “O Alquimista” completará sete anos na lista dos mais vendidos no NY.
    Um clássico… vc tem o direito de não gostar, mas acho de extremo mau gosto ficar dizendo para os outros “não lerem”.
    Mas é claro… vc pode dizer que o livro é péssimo e fazer propaganda contra o Paulo, Isso é democracia.
    Mas, falando vc ou não, achando o que vc quiser, sete anos na lista do NY é uma ótima resposta.
    Ótimo dia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s