J. M. Coetzee – Disgrace

Anna,

Para o desafio do Nobel, escolher um autor foi difícil. São tantas as possibilidades! Meu critério era “autor relativamente atual que eu nunca tivesse lido”, mas as possibilidades continuavam amplas. Não sei bem o que me levou a escolher Disgrace. J. M. Coetzee, sul-africano naturalizado australiano, ganhou o Nobel de Literatura em 2003. Na nota divulgada à imprensa sobre o o vencedor, a Academia Sueca afirmou sobre o livro:

In Disgrace Coetzee involves us in the struggle of a discredited university teacher to defend his own and his daughter’s honour in the new circumstances that have arisen in South Africa after the collapse of white supremacy. The novel deals with a question that is central to his works: Is it possible to evade history?

E eu mal sei por onde começar a resenha. Vamos do começo, a sinopse. David Lurie, branco, professor de literatura na Universidade de Cape Town, 52 anos, duplamente divorciado, vê uma prostituta uma vez por semana e está bem contente com a forma como sua vida está arranjada.

He is in good health, his mind is clear. […] He lives within his income, within his temperament, within his emotional means. Is he happy? By most measurements, yes, he believes he is. However, he has not forgotten the last chorus of Oedipus: call no man happy until he is dead.

Até que ele se envolve com uma aluna. Lembra que o título do livro é Disgrace? Pois é. A aluna o denuncia, e David precisa  encarar um comitê de ética, repórteres, etc. Ele encontra refúgio na chácara de sua única filha, Lucy. Mas o título ainda é o mesmo, e uma tragédia acontece. A chácara é atacada por três homens – negros, e isto é relevante porque estamos falando da África do Sul pós-apartheid. David é agredido, Lucy é estuprada. E sim, sem spoilear mais, esta tragédia traz muito mais desgraças.

Coetzee fala de conflitos raciais, de submissão à história, e de direitos dos animais. Fala também, claro, de como nós elaboramos as nossas relações pessoais, e de como estas mudam.

Uma passagem que não é relevante para a trama principal, mas que eu achei maravilhosa (e über triste):

 Poor old Katy [uma cadela], she’s in mourning. No one wants her, and she knows it. The irony is, she must have offspring all over the district who would be happy to share their homes with her. But it’s not in their power to invite her. They are part of the furniture, part of the alarm system. They do us the honour of treating us like gods, and we respond by treating them like things.

Eu adorei o livro. Cinco estrelas no Goodreads, daria seis se possível fosse. Entretanto, não é todo mundo que vai gostar. As escolhas de alguns personagens são difíceis de aceitar. O final não te deixa com a sensação de missão cumprida; ainda que de certa maneira ele seja epifânico para David – mentira. Epifânico para o leitor sobre a personalidade de David.  Citando novamente a Academia Sueca, “His protagonists are overwhelmed by the urge to sink but paradoxically derive strength from being stripped of all external dignity”. Enfim, foi fácil entender por quê Coetzee recebeu um Nobel: Disgrace é brilhante.

– Ana

Anúncios

7 respostas em “J. M. Coetzee – Disgrace

  1. Eu nunca li nada do Coetzee, mas o Daniel fala nele com um amor que eu sempre fico querendo ler. Vou começar por Disgrace, certeza! Gostei imensamente da sua resenha, tô querendo começar a ler nau 🙂

  2. Pingback: Desafio Literário – Abril | Ana, leu isso?

  3. Pingback: J. M. Coetzee – Desonra | Ana, leu isso?

  4. Pingback: Balanço do Desafio 12/13 | Ana, leu isso?

  5. Pingback: J. M. Coetzee – Youth | Ana, leu isso?

  6. Pingback: Uzodinma Iweala – Feras de Lugar Nenhum | Ana, leu isso?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s